Comparação entre os tamanhos do mercado brasileiro e do mercado americano?

Em comparação ao mercado brasileiro, o dos Estados Unidos é muito maior. Qual é o tamanho da diferença entre os dois mercados, então?
Oliver Imhof

Oliver Imhof

Publicado em: 22/06/2022

O Brasil há pouco tempo já teve menos de 1% da população investindo na bolsa de valores, enquanto diversas pesquisas mostram que nos Estados Unidos, mais da metade da população investe.

Será que tais números continuam assim? Houve crescimento de investidores no Brasil? Estamos chegando mais perto dos Estados Unidos. Se você tem curiosidade sobre o tema, acompanhe o nosso artigo.

Em 2012 havia mais presos do que investidores

Segundo pesquisa divulgada pelo site Infomoney em 2013, o Brasil, na época, tinha mais pessoas presas do que investindo na bolsa de valores.

Segundo os dados divulgados, havia um total de 598.050 presos, enquanto, somente 594.950 investidores cadastrados na bolsa de valores.

Essa comparação mostra o quanto o Brasil está atrasado em questões de educação financeira e sobre outras questões. Querendo ou não, os números expõem uma forte desigualdade que existe no país.

Na época, os investidores da bolsa de valores representavam menos de 0,3% da população brasileira. Hoje, esses números são bem diferentes.

Mais de 5 milhões de investidores na bolsa

Em questão de 10 anos, o aumento de investidores na bolsa foi gigante. Se antes havia pouco menos de 0,30% da população Brasileira investindo na bolsa de valores, agora essa porcentagem foi para praticamente 2,4%.

Junto do crescente aumento dos investidores, a bolsa de valores também vem crescendo em volume. De 2012 a 2021, o volume saltou dos 1,44 trilhões de reais para os mais de 7 trilhões.

Isso vem mostrando que tanto os investidores quanto o volume de negociações vem crescendo na bolsa brasileira. Ou seja, é um crescimento sustentável.

Mercados nos Estados Unidos.

Segundo os dados divulgados pelo site Investnews, o mercado norte-americano é composto por mais de 54% da população dos Estados Unidos.

Enquanto o brasileiro vem lutando para ultrapassar a barreira dos 2,4%. Ou seja, de forma comparativa, existe um caminho muito longo para o Brasil alcançar níveis similares aos Estados Unidos.

Vários pontos terão que ser acionados para que haja mais engajamento da população na bolsa de valores.

Um deles está relacionado à publicidade das corretoras, mostrando que o ambiente de bolsa não é um “cassino” e que pode ser benéfico no longo prazo aos investidores. Mesmo aqueles conservadores podem ter sucesso.

Outro ponto que precisa ser trabalhado é a educação financeira. Ainda hoje, muitas pessoas estão endividadas no Brasil, fato que vai distanciar ainda mais aqueles que têm recursos, aqueles que conseguem poupar e as pessoas que sofrem para conseguir se organizar financeiramente.

Estados Unidos possuem mais bolsas que o Brasil

Outra grande diferença que marca o mercado brasileiro e norte-americano está relacionada às bolsas de valores.

Nos Estados Unidos existem mais do que uma bolsa. Além da NYSE, que é a maior bolsa de valores do mundo, existem a NASDAQ, a bolsa de commodities de Chicago, e outras.

Já no Brasil, todo o mercado está concentrado na B3. Assim, existe muito espaço para crescer no Brasil. Como o mercado ainda é muito pequeno em comparação aos Estados Unidos, existe um caminho longo para percorrer até que seja necessário uma nova bolsa.

Oportunidades que a bolsa de valores oferece

Olhando as diferenças que existem entre os Estados Unidos e o Brasil, podemos dizer que existe um grande mercado inexplorado no Brasil e na bolsa de valores nacional.

Como o mercado mostra sinais de crescimento no Brasil, tanto em questão de produtos quanto de investidores, é fato que nos próximos anos, a tendência é de crescimento ainda maior.

Tanto pessoas jurídicas quanto físicas vêm procurando cada vez mais informações sobre o mercado de ações e outras alternativas que a bolsa possa oferecer.

Não é somente ações que a bolsa oferece. Existem diversos outros produtos e inclusive soluções sofisticadas para proteção de negócios de empresas.

Empresas que fazem comércio com o exterior, geralmente sentem no caixa a volatilidade do dólar. Observando isso, há formas de defender o caixa contra tal volatilidade.

A construção de operações de hedge com os mercados futuros de dólar é uma solução assim. O empresário pode se defender de uma eventual volatilidade do dólar, comprando ou vendendo contratos futuros de dólar.

Já com relação a investimentos visando o longo prazo, a bolsa oferece diversas alternativas. As próprias ações são uma delas, mas também os fundos imobiliários, BDR, ETF e demais investimentos.

Inclusive, o investimento de curto prazo, utilizando estratégias de Day Trade, também pode ser utilizado com os ativos supracitados.

Conclusão

Os Estados Unidos são um dos maiores mercados do mundo, se não o maior. Diversos investidores do mundo investem nos Estados Unidos também.

Com tamanha quantidade de interessados, o mercado por lá se tornou gigantesco. O Brasil vem crescendo, ano após ano.

Porém, aqui, a bolsa ainda é muito pequena. Até o presente momento, pouco mais de 2,4% da população está na bolsa de valores, enquanto nos Estados Unidos, mais de 54% investem na bolsa.

A crescente procura pela bolsa no Brasil vem despertando um aumento de novos produtos financeiros. Não faz muito tempo, os BDRs se tornam acessíveis a todos os investidores, quando antes, era somente para investidores qualificados, que tinham patrimônio igual ou superior a um milhão de reais.

Além disso, a quantidade de ETFs e BDRs só aumentou na bolsa. Mostrando que existe procura pelos ativos e por novos.

Não há dúvidas, que o mercado brasileiro, por mais que esteja crescendo, ainda está longe de chegar aos pés do mercado dos Estados Unidos.


Este conteúdo faz parte da missão da Felix na Bolsa de facilitar a vida dos investidores. Clique aqui para conhecer a nossa plataforma.

© 2022 Felix na Bolsa