O que são: Ações, Fundos Imobiliários, ETFs e BDRs

Dentro do mercado de renda variável há uma grande diversidade de ativos, dentre eles, aqueles mais conhecidos são: Ações, Fundos Imobiliários, ETFs e BDRs.
Oliver Imhof

Oliver Imhof

Publicado em: 28/12/2021

Se você quer conhecer mais sobre cada um desses quatro tipos de ativos, acompanhe o nosso artigo e conheça melhor cada um deles.

O que são ações?

As ações são partes de uma empresa negociadas em Bolsa de Valores. Em outras palavras, uma empresa que busca levantar capital tem como alternativa abrir o capital na Bolsa de Valores.

Para isso a empresa passa por todo um processo burocrático, onde algumas instituições participam para avaliar e verificar a possibilidade de abertura, dentre essas instituições nós temos a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e a B3, nossa Bolsa de Valores.

Depois de passar por todo o processo, a empresa, junto de um banco, faz a prospecção da oferta pública e dá início ao lançamento das ações no mercado.

Normalmente uma parte da empresa é oferecida ao mercado para investimento. Desde bancos até investidores pessoa física podem participar da oferta pública e posteriormente, todos do mercado, poderão negociar as ações em bolsa.

Com isso, a empresa ganha diversos sócios, uma vez que haverá inúmeros investidores com as ações sob custódia e, em contrapartida, a empresa vai receber os valores pagos pelos investidores pelas ações.

O que são Fundos Imobiliários?

Os Fundos Imobiliários são similares aos fundos de investimento e às ações, uma espécie de híbrido dos investimentos.

Um Fundo Imobiliário (FII) normalmente nasce através de uma instituição financeira que faz a estruturação do fundo e depois lança o mesmo no mercado.

Sendo que o fundo pode estabelecer diferentes estratégias para sua gestão, como:

  • Fundos que investem em diferentes imóveis, de forma diversificada ou referente a setores, como: escritórios, residenciais, galpões logísticos, shoppings entre outros;
  • Fundos de fundos, onde o FII investe em cotas de diferentes FII;
  • Fundos que investem em papéis com lastro em imóveis, títulos como CRI e LCI;
  • Há também os fundos que adotam carteiras diversificadas investindo em cada uma das estratégias citadas.

Ao definir qual estratégia o fundo vai tomar, a instituição financeira vai pleitear a possibilidade de lançar o fundo no mercado e dar início a oferta pública. Todo o processo também é acompanhado pelas instituições, como CVM e B3.

Portanto os Fundos Imobiliários, como as ações, possuem cotas negociadas em bolsa e passíveis das volatilidades do mercado.

Uma das grandes vantagens de investir em fundos imobiliários na bolsa está nos proventos que, muitas vezes, são mensais e na isenção de IR sobre os valores pagos.

Assim, ao investir em um FII, o investidor está posicionado em um ativo com lastro em imóveis e que faz pagamentos mensais sendo que, muitas vezes, esses pagamentos são muito interessantes. Atualmente há diversos FIIs pagando mais de 9% ao ano, sem a cobrança de IR.

O que são ETFs?

Os ETFs (Exchange Traded Funds), ou fundos de índices, são fundos negociados em bolsa que possuem estratégia passiva.

Ou seja, são fundos que seguem algum índice do mercado e tem suas cotas negociadas em bolsa.

Dentro da carteira do ETF, pode haver as ações de determinado índice, uma carteira copiando um índice, ou os recursos podem ser investidos em outro ETF, ou outro produto financeiro que consiga replicar o índice alvo, por exemplo.

Há diversos exemplos de ETFs que possuem em sua carteira praticamente a mesma carteira que existe no índice, como é o caso do ETF BOVA11.

BOVA11 segue o Ibovespa e tem em sua carteira, as mesmas ações do índice, nas mesmas proporções. Já o ETF IVVB11 tem seus investimentos feitos em cima o ETF IVV, que nada mais é do que a versão norte-americana do ETF.

A ideia de investir em ETF é a facilidade de diversificar e de se manter posicionado em um índice.

Ao invés de comprar todas as ações de um índice e de manter a carteira nas mesmas proporções, o investidor faz a compra do ETF e consegue tudo isso por meio de um único ativo.

O que são BDRs?

O BDR (Brazilian Depositary Receipts) é um certificado que representa um determinado ativo do exterior.

Atualmente há BDRs de ações e de ETFs do exterior. Por meio do BDR, o investidor local, brasileiro, tem a oportunidade de investir em ativos que são negociados no exterior, como é o caso das ações da: Apple (AAPL34), Alphabetic (GOGL34), Facebook (FBOK34), Disney (DISB34); dentre vários outras ações do exterior que já possuem suas representações em BDR.

Há também ETFs, como é o caso de; BEZU39 (índice da zona do euro); BGRT39 (ETF que cobre o mercado de REITs do mundo); BEWU39 (ETF que segue índice do Reino Unido), dentre várias outras opções.

Com tanta diversidade de BDR, o investidor tem acesso a muitas opções de ativos do exterior. Como não há tantos ETF que cobrem o mercado externo, os BDRs de ETF, podem ser uma ótima opção. E os BDR de ações são uma excelente alternativa para a carteira, com ações de gigantes do mundo, como as firmas de tecnologia, Apple, Google, Facebook, entre outras empresas.

Conclusão

A diversificação é uma das formas mais inteligentes de reduzir a volatilidade da carteira. É certo que a diversificação também pode restringir os elevados ganhos que um investidor consegue quando aplica os recursos em uma só ação ou em poucos ativos.

Mas, eventuais perdas são menores e, quando ocorrem, não são tão significantes. A diversidade de produtos também é muito boa para o mercado e para os investidores, uma vez que dá mais acesso a produtos que por vezes são restritos a algumas pessoas, como os ativos do exterior.


© 2021 Felix na Bolsa