Quais são os fundos imobiliários que mais pagam dividendos?

Além das ações, outro investimento que traz bons níveis de dividendos e renda são os fundos imobiliários.
Oliver Imhof

Oliver Imhof

Publicado em: 17/04/2022

Com os fundos imobiliários o investidor pode construir uma boa carteira e assim, conseguir uma boa fonte de renda.

Ao escolher os fundos imobiliários, a carteira do investidor vai passar a ficar mais diversificada e rentável.

Então quais são os fundos imobiliários que mais pagam dividendos? Se você está
curioso para conhecer os principais FIIs, acompanhe o nosso artigo.

Urca Prime Renda (URPR11)

O FII URPR11 trabalha com o foco em CRI (Certificado de Recebíveis imobiliários).
Portanto, o fundo não investe diretamente em imóveis e sim, em papéis com lastro.

Em média, dentro dos últimos 10 meses, URPR11 registrou ganhos da ordem dos 1,6% ao mês! Considerando um valor de cota de R$ 108,00.

Essa alta rentabilidade vem dos papéis que fazem parte do fundo. A CRI com
rendimentos muito interessantes. Por exemplo, uma das CRI com maior peso dentro da carteira de URPR11 é CRI Hot Beach (peso de 10,7%). Essa CRI conta com uma remuneração de 11% + IPCA.

Outra CRI que possui uma rentabilidade bem atraente é CRI Guestier II, com uma taxa de 11% + IGPM.

Ou seja, os CRI e suas taxas são muito atraentes. O fato negativo fica pela
concentração. O fundo possui bastante concentração em algumas CRI.

Ao todo, sete CRI já concentram mais de 50% do patrimônio total do fundo.
Portanto, se ocorrer algum caso de insolvência com qualquer um desses papéis, o
fundo provavelmente terá certa volatilidade.

Valora RE III (VGIR11)

VGIR11 é mais um FII que investe predominantemente em CRI. Diferente de URPR11, VGIR11 conta com uma carteira mais diversificada e menos concentrada, fato que gera um pouco mais de tranquilidade, mas não tanta rentabilidade.

Nos últimos 10 meses, VGIR11 rendeu, em média, 0,833% ao mês, considerando um valor de cota, próximo dos R$ 102,00.

A diferença é bem grande e tem certa influência da composição da carteira do FII.
Boa parte dos títulos que estão na carteira de VGIR11 está atrelada ao CDI e não ao IPCA ou IGPM. Por isso, a rentabilidade de VGIR11 não chega a ser não interessante quanto URPR11.

Mesmo assim, um rendimento de 0,833% líquido de imposto de renda é muito bom.

Devant Recebíveis Imobiliários (DEVA11)

Novamente mais um fundo com o foco em CRI. DEVA11 conta com uma carteira mais diversificada e com boa parte dos CRI atrelados ao IPCA.

Dentre os outros dois CRI já vistos, DEVA11 conta com maior pulverização do
patrimônio, fato que agrega mais na segurança.

Nos últimos 10 meses, DEVA11 vem gerando um retorno mensal próximo dos 1,34% ao mês (considerando uma cota de R$ 97,00).

DEVA11 vem gerando um ótimo retorno até o momento e com certeza tem espaço na lista dos FII que mais pagam dividendos.

CSHG Recebíveis Imobiliários (HGCR11)

HGCR11 é um FII que possui uma carteira mais equilibrada. Praticamente 50% do
patrimônio está alocado em CRI e os outros 50% em títulos atrelados ao IPCA.

O equilíbrio é interessante para o momento, uma vez que a taxa Selic está em alta
e ela influencia indiretamente na valorização do CDI.

Nos últimos 10 meses, HGCR11 vem gerando rendimentos de 0,93% ao mês. A renda é um pouco maior que VGIR11 (que conta com grande parte dos CRI atrelados ao CDI) e inferior a DEVA11 e URPR11 (que possuem maior peso em títulos atrelados à inflação).

A carteira de HGCR11 é bem diversificada também, não há títulos com peso superior a 6% do patrimônio, portanto, existe maior pulverização.

XP Crédito Imobiliário (XPCI11)

XPCI11 é um fundo da XP Investimentos que tem na carteira, predominantemente,
investimentos em CRI.

Nos últimos 12 meses a rentabilidade do fundo ficou próxima dos 1,03% (considerando o valor de cota de R$ 97,00).

Mais de 66% da carteira de XPCI11 está alocada em CRI atrelado ao IPCA, enquanto os outros 33% estão alocados em títulos atrelados ao CDI.

Kinea Securities (KNSC11)

KNSC11 é um FII administrado pela KINEA. O FII conta com mais de 56% do patrimônio alocado em CRI indexadas ao IPCA.

Nos últimos 10 meses, a rentabilidade de KNSC11 ficou em 1,29% ao mês. Uma ótima rentabilidade, ainda mais quando o valor é líquido de IR.

Como estamos tratando de um fundo imobiliário que possui praticamente metade do patrimônio alocado em CRI atreladas à inflação e outra metade à Selic e CDI, a
composição da carteira está bem dividida.

Portanto, é possível que os ganhos se mantenham por mais tempo, uma vez que as
expectativas são para mais aumentos na Selic. Por outro lado, o IPCA também dá
sinais que vai permanecer elevado ainda em 2022.

Conclusão

Na sua imensa maioria, os fundos que investem em CRI e demais papéis alterados a imóveis, apresentam rentabilidade superior aos fundos de fundos ou FII que
investem diretamente em empreendimentos.

O investimento nos sete fundos apresentados na lista poderia gerar uma ótima
fonte de renda ao investidor.

Por exemplo: R$ 100.000,00 investidos em URPR11 (o fundo cuja rentabilidade é a
maior em comparação aos demais da lista) poderia gerar uma renda de
aproximadamente R$ 1.600,00 ao mês!

Esse valor representa 32% a mais do que o salário mínimo vigente no Brasil. Já os R$ 100.000,00 investidos no fundo VGIR11 geraria um retorno de R$ 833,33.

Ao fazer uma simulação de uma carteira diversificada, de forma igual, entre os
sete fundos, a renda seria equivalente a 1% ao mês, ou R$ 1.000,00 ao mês, caso
o investimento total fosse de R$ 100.000,00.

Sem dúvidas, os fundos imobiliários são uma das melhores opções de investimento
quando o assunto é construção de renda.


Este conteúdo faz parte da missão da Felix na Bolsa de facilitar a vida dos investidores. Clique aqui para conhecer a nossa plataforma.

© 2022 Felix na Bolsa