Quais são os ETFs que existem no mercado?

Os ETFs, ou fundos de índices, são investimentos que combinam diversificação, segurança e rentabilidade em um só ativo.
Oliver Imhof

Oliver Imhof

Publicado em: 10/04/2022

Ao comprar um ETF, o investidor terá em mãos um ativo que vai conter uma carteira diversificada e que seguirá um índice.

Desse modo, a gestão do ETF segue as oscilações do índice, fato que dá mais segurança e previsibilidade ao investidor.

Se o investidor não quer aprofundar seus conhecimentos no mercado em si, há possibilidade de comprar ETFs e construir uma carteira extremamente diversificada, segura e rentável.

Então quais são os ETFs que existem no mercado? Há vários, e vamos abordar os principais nesse artigo. Acompanhe o nosso artigo e conheça mais sobre esse ativo que ganha mais e mais cotistas.

ETFs de renda variável

Os principais ETFs brasileiros são de renda variável. Inclusive, quando a onda de ETFs surgiu no Brasil, aqueles que surgiram primeiro eram referentes a índices da bolsa de valores.

Estamos tratando de fundos de índices que seguem desde o Ibovespa (principal índice da bolsa brasileira) até o índice de dividendos e de Small Caps (empresas menores e de médio porte). Segue a lista com alguns desses ETFs:

  • BOVA11 (Segue o índice Ibovespa);
  • SMAL11 (Small Caps);
  • DIVO11 (empresas pagadoras de dividendos);
  • IVVB11 (S&P 500);
  • TECB11 (ÍNDICE DE AÇÕES TECH BRASIL);
  • ASIA11 (ETF MSCI Asia ex-Japão);
  • XINA11 (ETF MSCI CHINA);
  • EURP11 (ETF MSCI EUROPA FDO);

Esses são alguns dos fundos de índices existentes no mercado brasileiro com o foco em renda variável.

Hoje, a bolsa de valores já conta com opções de ETF referentes a índices do exterior, como é o caso de EURP11, XINA11, ASIA11 e IVVB11.

Assim, além de comprar ETF voltados ao mercado nacional, o investidor ainda tem a oportunidade de diversificar investindo em fundos do exterior.

Vale destacar que esses ETFs por vezes são negociados a partir de valores próximos dos R$ 100,00, ou menos.

Além do valor acessível, o mercado de ETF possui um lote padrão de uma cota, portanto, o investidor pode ir comprando de cota em cota os seus ETFs.

ETF voltados ao mercado imobiliário

Além do mercado de ações, há ETF voltados ao mercado imobiliário. No Brasil há opções que seguem o IFIX (principal índice de fundos imobiliários). Segue as opções:

  • XFIX11 (Segue o IFIX);
  • ALUG11 (MSCI REAL ESTATE);

Uma opção voltada ao mercado nacional (IFIX11) e outra no mercado exterior (ALUG11). Olhando os índices, podemos dizer que ambos os ETFs são bem diversificados e contam com a estratégia de bons índices.

ETF voltado ao metaverso e criptomoedas

O metaverso e as criptomoedas vêm ganhando espaço na carteira de muitos investidores. Com a consolidação desse tipo de investimento, fica cada vez mais claro, que é preciso olhar com atenção para tal cenário.

Considerando isso, já existem ETFs que abordam esse universo digital. Dentre as opões existentes, nós temos as seguintes:

  • DEFI11 (DEFI INDEX);
  • ETHE11 (Ethereum);
  • WEB311 (SMART CONTRACT PLATFORMS);
  • NFTS11 (CRYPTO COMPARE MEDIA & ENTERTAINMENT LEADERS);
  • BITH11 (Bitcoin);

Esses cinco ETFs são aquele que seguem índices e ativos vinculados ao mundo digital de criptomoedas e do metaverso.

O BITH11 e ETHE11 que seguem o Bitcoin e Ethereum respectivamente são ETF atreladas as criptomoedas, portanto não há diversificação aqui. As demais outras opções se tratam de índices, onde existe uma carteira diversificada.

ETF voltado a commodities

Não há muitas opções de ETFs voltados a commodities, mas ainda sim, há opções. Segue uma das opções:

  • GOLD11 (ouro);

O ETF segue as oscilações do ouro, O ETF pode ser uma ótima opção quando há momentos de crise no mundo.

O receio com o mercado pode levar os investidores a procurarem ativos mais seguros, como é o caso do ouro.

Manter uma posição em ouro na carteira pode ser uma ótima solução para suavizar momentos de forte volatilidade.

ETF volta ao mercado de renda fixa

Além da renda variável há também ETFs que seguem índices de renda fixa. Na verdade há diversas opções, segue algumas:

  • IMBB11 (IMA-B);
  • B5MB11 (IMA-B5+);
  • FIXA11 (RENDA FIXA PRE);
  • IRFM11 (IRF-M P2);

Os quatro ETF de renda fixa listados acima representam importantes índices. Os dois primeiros são referentes a índices de inflação, já o terceiro e o quarto ETFs se referem a índices de títulos pré-fixados.

Com a alta da inflação, os dois primeiros ETFs vem gerando boa valorização aos seus cotistas. A partir do momento em que o juro se estabilize e aconteça uma sinalização de queda, é possível que os fundos atrelados a carteiras pré-fixadas possam começar a gerar retornos mais interessantes.

Mas, como a inflação ainda está elevada, é bem provável que os ETFs ligados à inflação continuem gerando retornos interessantes, principalmente os ETFs referentes a carteiras de prazo menor, como é o caso do IMBB 11.

Conclusão

O mercado nacional está repleto de ETFs de diferentes áreas. Existem inúmeros ETFs que cobrem a renda variável, mas uma boa porção na renda fixa e nos ativos digitais.

As commodities não possuem muitas opções, mas quem sabe no futuro não surja. Com tantos ETFs os investidores têm a opção de construir boas carteiras, diversificadas e seguras.

Vale destacar que antes de investir, o investidor deverá fazer uma boa avaliação das ETF e da estratégia. Algo relevante a ser avaliado em um ETF é sua liquidez.

Como estamos tratando de um mercado que ainda não é tão explorado quanto o de ações ou de fundos imobiliários, existem ETFs com baixa liquidez, fato que pode prejudicar investidores que precisam sair da posição (pouca liquidez pode influenciar em volatilidade maior do ativo). Por isso, faça uma boa avaliação antes de investir. 


Este conteúdo faz parte da missão da Felix na Bolsa de facilitar a vida dos investidores. Clique aqui para conhecer a nossa plataforma.

© 2022 Felix na Bolsa